WINE & SHINE | Rótulos. Os olhos também bebem – Jornal I
Wine & Shine é um consórcio de profissionais com experiência nas diversas áreas da comunicação de marketing do vinho – estratégia, branding, design, packaging, copywriting, storytelling, fotografia de garrafa e de terroirs, vídeo, marketing digital e publicidade - para criar marcas de sucesso em Portugal e na exportação
criar marca de vinho, good wine design, marketing de vinhos, wine labels, bom wine design, wine branding, especialista design rótulo, rotulo de vinho para exportação, agencia de publicidade de vinhos, design profissional, estratégia, marketing de vinho, rita rivotti, alice quina, stranger & stranger, digital terroirs, quintas comunicação, fotografia vinho, aicep portugal global, vinhos do alentejo, vinho verde, douro, bairrada, dão, península de setúbal, marketing del vino, Portugal, Porto. Lisboa, Setúbal
1192
post-template-default,single,single-post,postid-1192,single-format-standard,ajax_updown_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-4.4,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

Rótulos. Os olhos também bebem – Jornal I

Rótulos. Os olhos também bebem

Rótulos. Os olhos também bebem

São um preâmbulo ao néctar: há de todas as cores, feitios e para todos os gostos. E há cada vez mais. Falamos dos rótulos, a cara do vinho

O primeiro rotuleiro

“Estávamos no início do milénio quando o designer Paal Myhre deixou a agência de publicidade em que trabalhava para, com um amigo, fundar a DOC, que fechou em 2009 para dar lugar ao atelier Myhre Design. “As agências de publicidade já faziam esse trabalho, mas não havia nenhuma que se dedicasse em exclusivo a isto”, recorda. “Rotuleiros, éramos só nós”, brinca.

Já lhe passaram milhares de rótulos pelas mãos, “entre rótulos de vinhos, brandy, cervejas, azeites, aguardentes, vinhos do Porto, espumantes e compotas”, refere. Na verdade, basta entrarmos na secção de vinhos de qualquer supermercado para nos deparamos com meia dúzia de rótulos do designer que, por exemplo, trabalha com a casa Ermelinda Freitas ou com a Sogrape, responsável pela distribuição de vinhos como o Grão Vasco ou Sandeman.

Paal é direto a explicar o que considera um bom rótulo: “É o que consegue chamar a atenção do consumidor, ao ponto deste pegar na garrafa de vinho e levá-la para casa”. O que, com as garrafeiras a transbordar, é uma tarefa cada vez mais complicada.

Fazer a diferença Segundo o designer, o mercado deu uma volta de 180 graus. “Dantes era o dono a fazer tudo: era marketeer, engarrafador, fazia quase os rótulos se fosse preciso”, descreve. “Hoje as empresas estão muito mais organizadas. Tanto que quase se começa “primeiro a pensar na marca e só depois a fazer o vinho”, comenta.

E os “truques habituais” deixaram de funcionar, até porque, também neste segmento de mercado, há modas. “Já não dá para pintar um rótulo só de laranja para chamar a atenção, é preciso partir para a segunda fase e contar uma história”, diz. “Os vinhos são como todos os produtos, precisam de ter um chamariz”. Mas faz uma ressalva: esse chamariz ou essa história“não pode soar a falso”. Até porque os próprios consumidores estão cada vez mais atentos e exigentes relativamente à estética – e à mensagem.

Fazer o vinho brilhar Além da mensagem, o texto também é importante. Rita Monteiro, copywriter (redatora publicitária) tinha plena consciência disso quando, há cinco anos – e depois de trabalhar numa agência de publicidade que fechou, onde já tinha feito, por exemplo, o lançamento da João Portugal Ramos– foi ter com Paal, que entretanto já tinha lançado a Myhre Design. “Tínhamos em comum anos a trabalhar vinhos, eu como copywriter ele como designer – chegámos a trabalhar os mesmos projectos”, diz. “Desenvolvíamos projectos desde 2011, mas o trabalho não se esgotava aí: havia a estratégia, o design, a fotografia… Assim nasceu a ideia de reunir os melhores na área para fazer o vinho brilhar, sem o trauma de criar uma agência”. A ideia de reunir esforços de diferentes áreas para um objetivo comum plasmou-se no consórcio Wine&Shine, que tem cinco empresas associadas: a Tinta Amarela (wine copywriting), Myhre Design (wine packaging), Dodesign (design e webdesign), Jorge Figanier Castro (fotografia de vinhos) e Shortfuse (vídeo).

O pacote completo para qualquer marca de vinhos brilhar promete – mas não faz milagres. “Pode ser o melhor rótulo do mundo, mas se o vinho for mau, os consumidores não voltam”, sentencia Paal. Já diz o ditado que as aparências iludem. Ou, possivelmente, não: é que há vinhos portugues mesmo muito, muito bons.”

Mariana Madrinha 19/12/2017

Rótulos. Os olhos também bebem – Jornal I

 

 

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.